Quem sou eu

Minha foto
Nutricionista Clínica, esportiva, gestacional e infantil. Consultório em Alphaville (Tel: 4175-9777) há 12 anos, com técnicas bem inovadoras e diferenciadas, focando especialmente no bem estar psicológico e emocional do paciente. Reeducação alimentar associada à Gastronomia para resultados definitivos e uma rotina agradável!

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Queda de cabelo feminino - o que fazer? - parte 1

Hoje vou falar sobre algo que angustia muito as mulheres: a queda de cabelos ou alopécia. A alopécia feminina normalmente é bem diferente da masculina e é dela que falaremos hoje. Poucas coisas podem ser tão angustiantes para uma mulher que perceber que seus fios estão caindo aos tufos, entupindo ralos, o travesseiro lotado... A perda de até 100 fios por dia é normal, mas a perda aumentada cresce a cada dia devido a fatores como estresse, ansiedade, depressão e carências nutricionais. Agressões químicas e secador em excesso também podem levar ao problema.
É realmente importante que o problema seja diagnosticado o quanto antes, pois nem sempre a solução é rápida.
No meu caso, por exemplo, a queda teve início há 4 meses. Fiz todos os exames de sangue buscando por problemas hormonais, como ovários policísticos e hormonios tireoideanos, mas todos estavam em ordem. A dermatologista concluiu que a causa era apenas um estresse que tive no ano passado. O tratamento seguiu apenas com suplementos nutricionais (precisa dizer que usei TO-DOS?) e o minoxidil, manipulado pela dermatologista, para uso local, que diminui a queda e estimula o crescimento. Passei a usar shampoos especiais também para prevenir a queda e a caspa, da La Roche-Posay, também prescritos pela dermatologista.
Veja bem, incluí os suplementos Pantogar, Noukrin e Exímia Fortalize, passei o Minoxidil 5% todos os dias (ele é uma chatice, deixa o cabelo duro), pesquisei tudooo e três meses de tratamento depois, eu tinha perdido, simplesmente, 40 a 50% dos fios! 
Procurei outra profissional e insisti que não estava passando por nenhum estresse e que alguma outra causa tinha que estar levando à queda capilar. Cheguei a contar os fios um dia e perdi 350!!! Veio mais uma pesquisa com ultrassonografias e aí sim diagnosticaram que tenho ovários policísticos.
Agora o tratamento incluiu Aldactone (espironolactona 100 mg), Androcur (acetato de ciproterona 50 mg) e Glifage (metformina 500 mg). E claro, uma dieta para ovários policísticos que eu mesma montei :)
Gostaria de aproveitar o post e recomendar MUITO CUIDADO se você começar a perder fios. Eu tive um diagnóstico errado e perdi tempo , mas muita gente vai ao meu consultório achando que vai tomar uma vitamina e o cabelo vai parar de cair. Ou me conta que está passando o produto que a amiga indicou. Se não parar, aííí procura um dermatologista. Veja, em 4 meses perdi quase 50% do meu cabelo :( Ainda bem que eu tinha bastante...

E você, já passou por algo parecido? Tem ou teve queda capilar? Como foi o tratamento?
Farei um post falando sobre ovários policísticos e em um mês faço a segunda parte deste post contando como foi a evolução agora que realmente tenho um diagnóstico.
Troca de idéias são muito bem-vindas, se você passou ou está passando por isto, deixa um comentário, ok?
Beijinhos


SE VOCÊ GOSTOU DESTE POST, CADASTRE-SE PARA ACOMPANHAR O BLOG  POR EMAIL NO LINK AO LADO DESTE POST
OU CLIQUE CURTIR NO FACEBOOK NA FAN PAGE ABAIXO, PARA LER NOTÍCIAS NA SUA PÁGINA: www.facebook.com/nutricionista.alinelamarco

Instagram: @nutri.aline

Um comentário:

Carine Gomes disse...

Com 15 anos de idade começou a minha saga. Dermatologistas diziam que eu era "muito novinha e muito bonitinha" para estar tão estressada (porque o resultado dos exames não apontava nada anormal). Tive um namorado que dizia que meu cabelo não caía, mas se jogava da minha cabeça. Constrangedor! Hoje tenho 35 e as "crises" de queda continuam...aparecem, desaparecem por curto tempo,a queda volta pior, piora mais ainda... Exames continuam normais, inclusive os sugeridos pelo ginecologista. Gostaria de engravidar no próximo ano e tenho receio que se agrave ou, ainda, que não tenha mais solução.