Quem sou eu

Minha foto
Nutricionista Clínica, esportiva, gestacional e infantil. Consultório em Alphaville e Itaim Bibi (Tel: 4175-9777) há 12 anos, com técnicas bem inovadoras e diferenciadas, focando especialmente no bem estar psicológico e emocional do paciente. Reeducação alimentar associada à Gastronomia para resultados definitivos e uma rotina agradável!

terça-feira, 7 de maio de 2013

Pipoca e cachorro-quente podem matar, dizem pediatras americanos


The New York Times / Revista Veja


Numa tarde de julho de 2006, Patrick Hale preparou um saco de pipocas no microondas para seus dois pequenos filhos e sentou-se para assistir televisão. Quando se ajeitava para mudar de canal, ouviu um estranho som às suas costas. Ao se virar, viu sua filha de 23 meses, Allisson, ficando roxa e sem conseguir respirar. Como fuzileiro naval e com um certificado de primeiros socorros, ele não conseguiu desalojar a pipoca com tapas nas costas e colocando o dedo na garganta da filha.  Ligou para a emergência, mas já era tarde. Quando Allison chegou ao hospital, seu coração havia parado de bater. Uma autópsia descobriu que ela havia inalado pedaços de pipoca em suas cordas vocais, nos brônquios e no pulmão. "Nenhum de nós sabia que pipoca não era segura", disse sua mãe, Christie Hale, que vive no Texas.

Agora, a Academia Americana de Pediatria, que reúne o maior grupo de pediatras do país, pretende mudar a situação. Afirmando que comida deve ser objetivo de escrutínio tanto quanto brinquedos, a associação vai pedir ao Food and Drug Administration (FDA, o órgão americano encarregado de fiscalizar remédios e alimentos na sigla em inglês) que exija dos fabricantes advertência sobre comidas conhecidas por causar asfixia e avaliar e monitorar a segurança dos alimentos.
"Existem alguns brinquedos, como o SuperBall, que por lei devem estampar advertências que dizem que eles podem ser perigosos para crianças pequenas e não devem ser vendidos para elas. No entanto, eles têm a mesma forma e tamanho de chicletes que não enfrentam restrições", disse Gary Smith, diretor do Centro de Investigação de Lesões do Hospital Nacional Infantil em Columbus, Ohio, e principal autor da declaração pública dos pediatras sobre o perigo dos alimentos.
Ao mesmo tempo, a academia vai exigir dos fabricantes que redesenhem algumas das comidas mais perigosas, especialmente o cachorro-quente, o maior responsável por asfixia. A exigência já foi ridicularizada na internet. Muitos comentários afirmaram que os pais podem modificar eles mesmos o cachorro-quente – basta cortá-lo do cardápio. A presidente do Conselho Nacional do Cachorro-Quente, Janet Riley, disse que o redesenho "não vai acontecer". O designer de comida Eugene Gagliardi Jr criou um novo cachorro-quente, que está pronto para ser comercializado na costa leste americana. Ele parece igual ao tradicional, mas tem oito ranhuras profundas que se abrem com o cozimento, fazendo com que a salsicha se quebre em pequenos pedaços ao ser comida.
O grupo de pediatras começou a estudar o assunto nove anos atrás, quando dezessete crianças ao redor do mundo, incluindo várias nos Estados Unidos, morreram asfixiadas por um doce gelatinoso que devia ser sugado de um copo de plástico. A FDA proibiu sua venda. "Este produto nunca deveria ter chegado ao mercado", disse Smith. "As crianças estavam morrendo no Canadá, no Japão e nos Estados Unidos por anos, e nós não sabíamos por que" – até analisarem um grupo de mortes no norte da Califórnia.
Não existem estatísticas recentes sobre asfixia por alimentos. Em 2001, cerca de 17 500 crianças menores de 14 anos foram tratadas em prontos-socorros por asfixia e 60% dos casos foram causados por comida. Em 2000, 160 crianças morreram por obstrução do trato respiratório.
Crianças menores de quatro anos são as que enfrentam os maiores riscos, não apenas porque suas vias aéreas são pequenas (a parte de trás da garganta de uma criança tem o diâmetro de um canudo), mas também porque elas estão desenvolvendo a maneira de comer. Os dentes da frente nascem ao redor dos 6 ou 7 meses, e então os bebês podem morder um pedaço de comida. Mas os primeiros molares, que esmagam o alimento, não aparecem antes dos 15 meses, e os segundos molares só chegam ao redor do 26º mês.
"Entre os 3 e 4 anos a criança está desenvolvendo sua habilidade para mastigar adequadamente e se preparar para engolir", disse Nisha Kapadia, pediatra do Johns Hopkins Children’s Center. Quando crianças pequenas mastigam coisas como amendoins, cenouras cruas e pipoca conseguem moer alguns pedaços, mas outros não. Então engolem pedaços não mastigados que pode obstruir as vias aéreas ou inalá-los para os brônquios ou pulmões. O grupo de pediatras disse que a vigilância é importante, mas os pais nem sempre conseguem prevenir a asfixia. "Vejo pais quando trazem seus filhos ao pronto-socorro", disse Smith. “Todos ele dizem 'eu não acredito que isso aconteceu com meu filho, eu estava ao lado dele'."
Alguns advogados defendem que o governo deveria manter os alimentos perigosos fora do alcance das crianças. "O FDA deve estabelecer um padrão de informações preventivas sobre alimentos que não devem ser consumidos por menores de 5 anos", disse Bruce Silverglade, diretor jurídico do Centro para o Interesse Público da Ciência, um grupo de advogados que pressionou o governo em 2003, sem sucesso, para exigir um projeto de lei pelo qual o FDA deveria desenvolver normas para os rótulos de alimentos.
Em um comunicado, a agência federal declarou que está revisando a nova política da academia pediátrica e considera tomar medidas para prevenir mais mortes, mas não disse quais seriam. Algumas indústrias alimentícias colocaram alertas nas embalagens voluntariamente. "Dois terços das salsichas já tem advertências no rótulo", disse Riley, do conselho do cachorro-quente. Mas Silverglade afirma que isso não é o bastante. "Se considerarmos que dois terços têm advertência, é vergonhoso o fato de um terço não ter", disse. Rótulos com advertências, quando existem, nem sempre são óbvios para os consumidores. Depois que sua filha morreu, Hale foi ao supermercado e encontrou algumas marcas de pipoca para microondas com um pequeno alerta no fundo da caixa. "Quem lê o fundo da caixa?", pergunta ela.
Os Hale, ambos aposentados do corpo de fuzileiros navais depois da morte da filha, processaram o fabricante de pipoca e chegaram a um acordo financeiro antes da causa ir a julgamento. (Um acordo de confidencialidade os impede de citar o nome da marca de pipoca.)
Em 2003, três anos antes da morte de Allison, o grupo de Silverglade enviou cartas para cerca de cem fabricantes de alimentos, incluindo indústrias de pipoca, exigindo que usassem rótulos com alertas sobre asfixia. "Recebemos apenas duas respostas, e mesmo essas companhias não fizeram nenhuma promessa", disse Silverglade. Uma discussão no site CafeMom.com revelou uma ampla gama de opiniões sobre a segurança de crianças que comem pipoca, com muitas mães afirmando que não vetava a comida para seus filhos entre 15 e 24 meses. "Ele só come pipoca quando eu como, então posso ter certeza que não vai engasgar", escreveu uma mãe.
Mas estar presente não necessariamente previne a asfixia. "Ainda que a academia não tenha definido uma idade limite", disse Smith, "eu acredito que é prudente esperar pelo menos até os 4 ou 5 anos antes de introduzir comidas perigosas, incluindo pipoca."
Brinquedos e outros objetos também são sérios causadores de asfixia, especialmente moedas, balões e bolinhas. A academia de pediatria pediu uma regulamentação mais rigorosa para produtos vendidos no site eBay e para embalagens de brinquedos vendidos no varejo e em máquinas automáticas. O grupo sugere que seus integrantes orientem melhor aos pais sobre os riscos dos alimentos. "Muitas vezes os pais imaginam: 'meu filho é maduro o suficiente para lidar com uma uva ou com um cachorro-quente'", disse Chrissy Cianflone, diretor do grupo de advocacia Safe Kids. "Os pais precisam entender que existem limitações físicas e cognitivas de desenvolvimento." Ela afirma que manter pequenos objetos e alimentos não seguros longe da boca das crianças é a única maneira de prevenir acidentes com asfixia, como os pais de Allison Hale puderam testemunhar. "Não passa um dia", disse Hale, "em que meu marido não se sinta culpado e imagine que fez alguma coisa errada."
Os dez maiores perigos de asfixia – De acordo com um estudo de 2008, as dez comidas que trazem mais riscos de asfixia para crianças pequenas incluem cachorro-quente, amendoim, cenoura, ossos de frango, doces, carne, pipoca, peixe com espinhas, semente de girassol e maçã.
Gary Smith, que liderou a política pública da Academia Americana de Pediatria sobre comidas perigosas, afirmou que alguns alimentos simplesmente não devem ser oferecidos a crianças com menos de 4 ou 5 anos. Ele mencionou cenoura crua, marshmallow, amendoim, pipoca, doces duros e chicletes. Se for dar cachorro-quente a uma criança pequena, corte a salsicha em sentido longitudinal (cortá-la na forma de moedas pode ser mais perigoso do que não cortá-la). Corte as uvas em quatro pedaços. Pirulitos planos são mais seguros do que os em forma de bola. Se a criança se engasgar, chame a ambulância – o tempo é o que importa nessas ocasiões.


SE VOCÊ GOSTOU DESTE POST, CADASTRE-SE PARA ACOMPANHAR O BLOG  POR EMAIL NO LINK AO LADO DESTE POST
OU CLIQUE CURTIR NO FACEBOOK NA FAN PAGE ABAIXO, PARA LER NOTÍCIAS NA SUA PÁGINA: www.facebook.com/nutricionista.alinelamarco

Instagram: @nutri.aline

Nenhum comentário: